10 dicas para escolher o melhor pescado para as refeições da Semana Santa

10 dicas para escolher o melhor pescado para as refeições da Semana Santa

Nestes dias que antecedem a Páscoa, muitas pessoas mantêm a tradição de consumir peixe. Fresco, glacial ou salso, o importante é comprar um iguaria de qualidade e de proveniência conhecida.

A médica veterinária da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (SMSAN), Virginia Afonso Gasparini, dá dez dicas para escolher o melhor pescado, prometer uma boa compra e, principalmente, preservar a saúde e a segurança nutrir:

  1. Compre unicamente em estabelecimentos limpos, organizados, regularizados, com atendentes uniformizados.
  2. Fique sengo à temperatura dos produtos vendidos nas peixarias. Os pescados frescos e resfriados devem permanecer entre -2°C e 2°C. Os balcões dos estabelecimentos devem trazer a indicação da temperatura interna.
  3. Observe se o resultado está livre de contaminantes (uma vez que areia, pedaços de metais, plásticos, combustíveis, sabão e moscas).
  4. Peixes frescos têm olhos brilhantes e salientes. As escamas devem ser unidas entre si, brilhantes e fortemente aderidas à pele. As guelras devem ter cor que vai do rosa ao vermelho intenso, ser brilhantes e sem viscosidade. O odor do peixe é característico, mas não pode ser repugnante.
  5. Se for comprar o pescado inteiro, peça para o funcionário da peixaria retirar as vísceras antes de levar o resultado para mansão.
  6. Se for comprar produtos congelados, observe o que informa o trabalhador na embalagem. No freezer da loja, não devem subsistir poças de chuva ou vitualhas molhados, pois são sinais de que o equipamento foi desligado ou teve a temperatura reduzida. A embalagem deve moderar informações do trabalhador e apresentar o Selo de Serviço de Inspeção (Federalista, Estadual ou Municipal).
  7. “Pescado sedento” deve ser dessecado de forma apropriada, ou seja, sem soma de sais e mantido a uma temperatura de até 5°C (ou atender a orientação do trabalhador). O “pescado salso sedento” é dessecado inteiro e tratado com sal (cloreto de sódio). Ele deve estar armazenado em sítio limpo, protegido de poeira e insetos, com carência de mofo, ovos ou larvas de moscas, manchas escuras ou avermelhadas, limosidade superficial e amolecimento. Não pode apresentar odor repugnante.
  8. Na hora de comprar peixes embalados, é preciso observar a existência de etiqueta com o nome do resultado, o teor líquido (quantidade ou volume), a identificação da origem (país ou sítio de produção), o lote e o prazo de validade. As embalagens devem trazer ainda os selos do serviço de inspeção federalista SIF/SISBI, estadual SIE/PR ou serviço de inspeção municipal SIM – Curitiba.
  9. Muito procurado na Semana Santa, o bacalhau é vendido resfriado dessalgado, dessalgado glacial e resfriado. Nos três casos, deve-se permanecer sengo ao armazenado (limpeza), à temperatura correta do resultado e ao rótulo, se for embalado.
  10. Qualquer que seja o resultado, o freguês deve sempre exigir a nota fiscal na hora da compra, pois ela é necessária para a troca ou reclamação de possíveis problemas.

*Créditos imagens e informações Prefeitura de Curitiba