Adultos voltam à sala de aula para realizar o sonho da alfabetização

Adultos voltam à sala de aula para realizar o sonho da alfabetização

 

Os 22 estudantes matriculados no curso de Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Escola Municipal Vila São José, na Regional CIC, estão conquistando um direito que não foi possível na infância: aprender a ler e escrever. Como eles, 1.250 pessoas de 15 a 80 anos frequentam as 48 escolas da Prefeitura que oferecem essa modalidade de ensino.

A dona de casa Aparecida Claudilene da Silva, de 47 anos, é um exemplo. Nascida em Apucarana, no Norte do Estado, ela conta que é filha de mãe analfabeta e só foi à escola até o 3º ano, quando morou em Campo Largo, na Região Metropolitana. “A mãe não tinha o entendimento da importância de estudar e, além disso, eu precisei trabalhar cedo”, diz.

Como ela, 68% dos estudantes de EJA são mulheres e a maioria (27,6%) têm entre 50 e 59 anos.

Empenho e incentivo

Com o incentivo do marido e do filho, que tem 14 anos e já está no Ensino Médio, Claudilene voltou a estudar há cerca de dois meses, 16 anos depois de se fixar em Curitiba. Está empolgada. A razão, diz, é a acolhida na escola.

“A gente sente que é importante ir para a aula e aprende mais do que ler e escrever: aprende a pensar sobre o que faz parte da vida da gente”, explica a estudante Claudilene, referindo-se aos textos que, aos poucos, começa a ler com ajuda da professora, Josiane Guedes da Silva Santos.

“É uma delícia estar com eles, é uma oportunidade rica de troca de vivências em que também eu, como educadora e como pessoa, aprendo tanto ou mais do que eles”, diz Josiane. A professora encontra a turma quatro vezes por semana, de segunda a quinta-feira, das 18h às 22h, depois de ter dado aulas para crianças pela manhã e à tarde.

Para manter a assiduidade dos alunos, Josiane aposta no fortalecimento da autoestima. “Sabemos como é difícil para eles, depois de um dia de trabalho pesado em casa ou nos seus empregos. Isso significa enfrentar o cansaço ou as exigências domésticas e familiares e encarar o compromisso novo e desafiador da alfabetização, o que nem sempre é possível”, argumenta. “Por isso, é compensador vê-los entrando pela porta da sala, mesmo que depois de começada a aula”, completa.

Matrículas na EJA

Se você conhece alguém a partir de 15 anos ainda não alfabetizado, encaminhe para o Núcleo Regional da Educação mais próximo, nas Ruas da Cidadania, ou ligue para a Gerência de Educação de Jovens e Adultos da Secretaria Municipal da Educação (3350-3076 ou 3350-9870).

Fonte: Prefeitura de Curitiba