Com Terminal Solar, Prefeitura de Curitiba vai poupar R$ 400 milénio por ano em pujança

O sol de outono brilhou intenso e radioso, na tarde desta terça-feira (2/4), sobre o bairro Santa Cândida. O prefeito Rafael Greca e o vice-prefeito e secretário de Estado das Cidades, Eduardo Pimentel, inauguraram o Terminal Solar Santa Cândida, a primeira usina de pujança fotovoltaica instalada sobre a cobertura de um terminal de ônibus de Curitiba.

A inauguração é segmento das comemorações pelos 331 anos de Curitiba, celebrados em 29 de março, e foi comemorada porquê um presente: a pujança renovável, além de ajudar o meio envolvente, vai trazer economia para os cofres públicos do município. 

A previsão de pujança gerada para o terminal, anualmente, é de 625.000 Kwh (quilowatts hora), que serão compensados na conta de pujança dos prédios públicos do município. Isso pode simbolizar, por ano, uma economia de R$ 411 milénio, que poderão ser revertidos em benefícios à população com investimentos em outras áreas. 

A pujança gerada pode abastecer 3.864 casas durante um mês se considerar a média de consumo das residências do Paraná de 168,6 kWh, oferecido divulgado pela Copel em outubro de 2023.

A pujança gerada pelo Terminal Solar Santa Cândida será usada para ressarcir a conta de luz em 61 unidades consumidoras (prédios públicos) da Prefeitura, porquê Armazéns da Família, Restaurantes Populares e módulos da Guarda Municipal.

O prefeito explicou que o Terminal Solar Santa Cândida passa a integrar o programa Curitiba Mais Robustez, uma das estratégias da capital previstas no Projecto de Adaptação e Mitigação das Mudanças Climáticas de Curitiba (PlanClima) para combater e mitigar as mudanças climáticas, por meio da produção de pujança renovável.

Economia já nas primeiras horas

O sistema da usina fotovoltaica foi ligado às 14h55 desta terça-feira (2/4) e até as 17h30 já tinha gerado R$ 300 de economia para a Prefeitura, com uma potência instantânea de 20,38 quilowatts.

“A geração de pujança está no comecinho, mas ao longo da história nós teremos uma cidade solar. O sol é gratuito e econômico. Não poluir é econômico. Não sujar o mundo é econômico. Evitar o aquecimento global é econômico. Curitiba faz a sua segmento. Viva a luz que brilha em Curitiba. Viva a Curitiba Solar”, afirmou Greca.

O vice-prefeito Eduardo Pimentel explicou que a Secretaria Municipal do Meio Envolvente também está instalando os sistemas fotovoltaicos nas coberturas dos terminais do Boqueirão e do Pinheirinho.

“Queremos fazer de Curitiba uma cidade autossustentável na geração de pujança solar. Essa inauguração de hoje é ação de uma cidade inteligente, porque economiza recurso público que pode ser investido em outra segmento do orçamento, porquê na saúde e na instrução”, afirmou Eduardo Pimentel.

A pujança gerada pelos módulos fotovoltaicos do Terminal Solar Santa Cândida será injetada na rede de distribuição da Companhia Paranaense de Robustez Elétrica (Copel) e o valor será destruído da conta de pujança do município.

Segundo a Urbs (Urbanização de Curitiba), pelo Terminal Santa Cândida circulam 11 linhas do transporte coletivo de Curitiba e passam diariamente 30 milénio pessoas. 

A Família Folhas participou do evento para substanciar a mensagem aos moradores do Santa Cândida sobre a preço de se buscar atitudes sustentáveis para o meio envolvente.

Curitiba Mais Robustez

O programa Curitiba Mais Robustez já contemplou com módulos fotovoltaicos o Palácio 29 de Março, o Salão de Atos do Parque Barigui e a Galeria das Quatro Estações do Jardim Botânico. Além da CGH Nicolau Klüppel, que gera pujança a partir da queda d’chuva do Parque Barigui.

A Pirâmide Solar de Curitiba – Parque Fotovoltaico da Caximba, que completou um ano de funcionamento no dia 29 de março, é o maior e mais representativo dos sistemas de geração de pujança do programa Curitiba Mais Robustez.

Ainda neste ano está prevista a licitação para instalar o mesmo sistema de pujança fotovoltaica no telhado da Rodoferroviária de Curitiba. Estes empreendimentos, somados à Pirâmide Solar de Curitiba, deverão prover muro de 60% do consumo de pujança dos prédios da governo da Prefeitura.

“Curitiba tem muita luminosidade, a nossa Pirâmide Solar completou um ano de geração de pujança limpa e mostrou a assertividade do projeto. Curitiba está mostrando que é capaz de trabalhar com as novas energias, com as energias renováveis, pautadas no enfrentamento às mudanças climáticas. A Pirâmide Solar já gerou R$ 2,3 milhões de economia para o município”, afirmou a secretária municipal do Meio Envolvente, Marilza Dias. 

Bom para o meio envolvente

De consonância com o diretor de Eficiência Energética e Geração de Energias Renováveis da Secretaria Municipal do Meio Envolvente, João Carlos Fernandes, a geração da pujança fotovoltaica no Terminal Santa Cândida vai ajudar a melhorar o ar da cidade. 

“Por ano vamos evitar a emissão de muro de 316 toneladas de CO2 com a geração da pujança dos módulos fotovoltaicos. Isso equivale a substituir seis ônibus movidos a diesel por ônibus elétricos, mas com um dispêndio três vezes menor”, explicou Fernandes.

O projeto de engenharia do Terminal Solar Santa Cândida foi financiado pela Sucursal Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) e bravo pelo grupo de cidades contra o aquecimento global, o C40. 

Presenças

Também participaram da inauguração, o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto; o secretário municipal do Desenvolvimento da Região Metropolitana de Curitiba, Leverci Silveira Rebento; o secretário municipal Resguardo Social e Trânsito, Péricles de Matos; os superintendentes de Controle Ambiental, Ibson Gabriel Martins de Campos, e de Obras e Serviços, Jean Brasil; os diretores de Parques e Praças, Giovando Amorim Romanine, de Recursos Hídricos e Saneamento, Antônio Carlos Gerardi, de Serviços Especiais, Clarissa Grassi Dias, de Pesquisa e Conservação da Fauna, Edson Ferraz Evaristo de Paula, e de Mudanças Climáticas, Felipe Maia Ehmke; os administradores regionais do Boa Vista, Janaína Lopes Gehr, e do Fazendinha/Portão, Gerson Gunha; a pesquisadora da Universidade de Potsdam (Alemanha), Anna Fünfgeld, que está em Curitiba conhecendo os programas da cidade no enfrentamento às mudanças climáticas; o superintendente da Guarda Municipal, Carlos Celso dos Santos Júnior; e os vereadores Rodrigo Reis e Sargento Tânia Guerreiro. 

*Créditos imagens e informações Prefeitura de Curitiba