Prefeitura de Curitiba faz manutenção de ruas indicadas pela Zeladoria Do dedo

Prefeitura de Curitiba faz manutenção de ruas indicadas pela Zeladoria Digital

O que as ruas Nicola Pellanda (Umbará), XV de Novembro (Meio) e a Parque Nossa Senhora do Sagrado Coração (Pinheirinho) têm em geral?

Além de serem artérias importantes nas suas regiões, essas ruas receberam manutenção do pavimento recentemente detectadas pela Zeladoria Do dedo, uma novidade instrumento que a Prefeitura de Curitiba está usando para estribar o trabalho de manutenção urbana da cidade.

Lançada no Smart City Expo Curitiba 2024, a novidade instrumento que utiliza um sensor, acoplado a carros da frota da Prefeitura e de aplicativo, para monitorar a situação das ruas da cidade e determinar o pavimento e outros elementos que a compõem. Ao detectar que há um buraco na rua, por meio da perceptibilidade sintético, a tecnologia abre maquinalmente um protocolo de solicitação do serviço para ser executado pela Prefeitura.

O projeto da Zeladoria Do dedo foi desenvolvido pelas secretarias de Governo, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (SMAP) e do Governo Municipal (SGM) e está em conformidade com o concepção de cidades inteligentes, que são mais proativas e usam a tecnologia para se antecipar à solução de problemas.

Manutenções realizadas

Os serviços executados nas ruas citadas foram de fresa e recape com asfalto borracha (volume asfáltica que conta com pneus descartados na elaboração).

Na Rua Nicola Pellanda, as intervenções foram realizadas nos trechos entre José Ângelo Micheletto e Colomba Merlin, de 1.150 metros, e entre a Rua Jacob Wosniak e a ponte sobre o Rio Iguaçu, ao longo de 850 metros.

Na Rua XV de Novembro as ações abrangeram uma extensão de 600 m², na fita exclusiva de ônibus entre a Francisco Torres e a Mentor Laurindo e no trecho entre a Mentor Laurindo e a Presidente Faria (em toda a pista).

Já na Parque Nossa Senhora do Sagrado Coração, as melhorias foram realizadas numa extensão de 1.100 metros.

Critérios ténicos

De negócio com o superintendente de Manutenção Urbana, engenheiro João Carlos Vidal Fruto, a Prefeitura segue critérios para fazer os serviços, entre eles o vestuário de as ruas serem vias de relação entre bairros, endereços de equipamentos públicos, uma vez que escolas e unidades de saúde, ou serem apontadas uma vez que prioridade pelo sistema de consulta pública à população, o Fala Curitiba.

A decisão final depende de validação conjunta das equipes da Prefeitura e do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) e só logo é incluída na programação das secretarias de Obras Públicas e do Governo Municipal.

“Nós temos uma malha viária de 4.700 km e esses carros da Zeladoria Do dedo monitoram toda a cidade e percebem, por exemplo, onde tem buracos, ondulações e onde o antipó não aguentou o peso do trânsito”, exemplificou Vidal Fruto. 

São 35 veículos, entre carros da frota da Prefeitura e de aplicativo, que registram informações detalhadas sobre as ruas, de forma aleatória ou programada (no caso dos veículos da gestão municipal). Os veículos têm um sensor na suspensão e uma câmera fotográfica no para-brisa interligados a um aplicativo no celular dos motoristas.

“Levante sistema também monitora as ruas de pavimento definitivo, dá para ver o estado de conservação e indicar se existe premência de uma mediação preventiva na via”, explicou o superintendente. 

Hipervisor e novas funções

A verificação do pavimento é unicamente o primícias desse novo trabalho, já que é verosímil detectar também a fundura das placas e a iluminação das ruas.

“A Zeladoria Do dedo é uma instrumento multidisciplinar. Atualmente está sendo utilizada pela Secretaria do Governo Municipal, mas poderá ser usada por diferentes áreas de Prefeitura, porque é verosímil verificar se existem entulhos nas calçadas, construções irregulares, a sinalização de trânsito, iluminação pública”, exemplificou Vidal Fruto.

Ou por outra, as informações coletadas pela Zeladoria Do dedo também vão fomentar os dados do Hipervisor Curitiba, que entrou em funcionamento em fevereiro deste ano.

De negócio com o diretor técnico Oscar Schmeiske, o trabalho do Hipervisor será mais aprofundado.

“No caso de uma rua, por exemplo, que seja rota do transporte coletivo e registre muitas quebras de ônibus, o Hipervisor vai cruzar informações e se a culpa do problema for o pavimento, a rua passa a ser prioridade para receber manutenção”, explicou Schmeiske.

Mais de 4,3 milénio protocolos

De janeiro de 2023 a março de 2024, o aplicativo Zeladoria Do dedo abriu mais de 4.300 protocolos relativos a buracos nas ruas. Mais de 70% dos protocolos foram resolvidos.

Secção dos protocolos finalizados sem atendimento se tratavam de outros elementos presentes nas vias que a IA entendeu uma vez que buracos – uma vez que poços de visitante e caixas de captação – e, portanto, não entraram no totalidade de solicitações atendidas.

Os números demonstram que os veículos que circulam por Curitiba diariamente cobrem praticamente 96% das vias da cidade todo mês, utilizando georreferenciamento e perceptibilidade sintético. Segundo os dados levantados, mais de 57% das ruas estão boas ou ótimas. Ainda que os veículos registrem determinado buraco mais de uma vez, o sistema faz o registro de maneira única.

Meão 156

A Zeladoria Virtual é um dos instrumentos que a Prefeitura utiliza para cuidar da cidade, além da Central 156, pela qual o cidadão encaminha a solicitação. Os curitibanos também podem solicitar serviços diretamente nas dez administrações regionais da cidade, que são as unidades descentralizadas da Prefeitura instaladas nos bairros. 

*Créditos imagens e informações Prefeitura de Curitiba