Sacolão da Família de Curitiba completa 26 anos como opção para comprar hortifrútis mais baratos

Sacolão da Família de Curitiba completa 26 anos como opção para comprar hortifrútis mais baratos

Nesta quarta-feira (22/11), o Sacolão da Família comemora 26 anos em Curitiba. Responsável por oferecer hortifrútis frescos e baratos para aproximadamente 153 mil pessoas por mês, o programa tem hoje 11 unidades espalhadas na cidade, onde são vendidas, mensalmente, cerca de 1.590 toneladas de frutas, verduras e legumes pelo preço máximo de R$ 3,69 o quilo.

“Consagrado pelos curitibanos, o Sacolão da Família é ponto de referência para a alimentação saudável, de qualidade e a preços mais baixos que o varejo, além de ser um dos pilares da política de segurança alimentar da Prefeitura”, diz o prefeito Rafael Greca.

Ao contrário dos Armazéns da Família –  programa da Prefeitura de Curitiba que exige cadastro prévio e renda máxima para a população comprar gêneros alimentícios – os Sacolões da Família são abertos a toda a população e sem necessidade de cadastro.

Aprovado pela população

O aposentado Celso Albano da Silva, 73 anos, é morador do Centro e conta que sempre faz suas compras no Sacolão da Rui Barbosa. “O preço é muito bom e a qualidade excelente. Tudo muito fresquinho e bonito”, diz.

Para o técnico de enfermagem Allan Coimbra da Luz, 44 anos, morar próximo a uma unidade do sacolão fez com que ele conhecesse e virasse cliente. “Depois que conheci, percebi que não tem lugar melhor na região para comprar as frutas e verduras de casa”, ressalta ele.

Já a aposentada Elisabeth Costa, 67 anos, diz que não tem como comprar no mercado tendo o Sacolão como opção. “Não compro em outro lugar de jeito nenhum. Aqui tem qualidade e ótimo preço”, afirma.

Programa

Os Sacolões da Família oferecem frutas e hortaliças de boa qualidade, a preço único por quilo, no mínimo 30% mais barato que no varejo tradicional. São 11 unidades em locais que suprem, com frutas, legumes e verduras, regiões com pouco comércio, os chamados “vazios urbanos”.

O programa mantém uma “pauta mínima de alimentos”, ou seja, uma lista para garantir o fornecimento uniforme de alimentos durante todo o ano. No outono-inverno, a pauta mínima é formada por 23 produtos e na primavera-verão, por 30.

O secretário de Segurança Alimentar e Nutricional, Luiz Gusi, lembra ainda que os sacolões servem como reguladores de preços nas regiões onde estão instalados. “Como as unidades trabalham valores mais acessíveis que o do comércio próximo, esses estabelecimentos acabam tendo que rever suas margens de lucro e valores dos produtos. Assim, quem sai ganhando é a população”, justifica ele.

Fonte: Prefeitura de Curitiba