Suspeitos de mandar matar Marielle serão transferidos para Brasília

Justiça absolve PMs envolvidos em caso de mulher arrastada por viatura

Os três suspeitos de mandarem matar Marielle Franco e atrapalharem as investigações serão transferidos para Brasília ao longo das próximas horas, segundo fontes da Polícia Federalista (PF).

Deflagrada na manhã deste domingo (24), a Operação Murder Inc prendeu Domingos Brazão, atual mentor do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ), o deputado federalista Chiquinho Brazão (União Brasil-RJ), e Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Social do Rio de Janeiro.

A prisão dos suspeitos ocorre menos de uma semana depois de o Supremo Tribunal Federalista (STF) homologar o concórdia de delação premiada do ex-policial militar Ronnie Lessa, executor dos assassinatos. Por envolver político com mensalidade privilegiado, porquê é o caso do deputado federalista Chiquinho Brazão, o caso passou a ser levado na Namoro pelo ministro Alexandre de Moraes. Os detalhes da operação serão informados em coletiva de prelo convocada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, às 14h.  

Domingos Brazão disse, em entrevista ao UOL em janeiro deste ano, que não conhecia e não lembrava da vereadora Marielle Franco.

Já Chiquinho Brazão divulgou nota no dia 20 de março, depois que a denunciação de ser o mandante vazou na prelo, afirmando que estava “surpreendido pelas especulações” e que o convívio com Marielle sempre foi “amistoso e cordial”.

A reportagem tenta contato com as defesas dos acusados presos para atualizar as posições de cada um.

Natividade: Escritório Brasil